Prevenção natural da gripe

O Dr. Vinay Goyal, urgentista reconhecido mundialmente, director de um departamento de medicina nuclear, tiroídica e cardíaca pede para você divulgar a mensagem abaixo para o maior número de pessoas possível, a fim de contribuir para minimizar o número de casos da Gripe A, causada pelo vírus H1N1.

“As únicas vias de acesso para o vírus da gripe são as narinas, a boca e a garganta. Em relação a esta epidemia tão vastamente propagada, apesar de todas as precauções, é praticamente impossível não estar em contacto com portadores do vírus que a promove. Contudo, alerto para o seguinte: o problema real não é tanto o contacto com o vírus, mas a sua proliferação. Enquanto estamos em boa saúde e não apresentamos sintomas de infecção da gripe A (H1N1), há precauções a serem tomadas para evitar a proliferação do vírus, o agravamento dos sintomas e o desenvolvimento das infecções secundárias. Infelizmente, estas precauções, relativamente simples, não são divulgadas suficientemente na maior parte das comunicações oficiais.

(porque será? Por ser barato demais e não haver lucros ?).

Eis algumas precauções:

1. Como mencionado na maior parte das publicidades, lave as mãos frequentemente.

2. Evite, na medida do possível, tocar no rosto com as mãos.

3. Duas vezes por dia, sobretudo quando esteve em contacto com outras pessoas, ou quando chegar em casa, faça gargarejos com água morna contendo sal de cozinha.

Decorrem normalmente 2 a 3 dias entre o momento em que a garganta e as narinas são infectadas e o aparecimento dos sintomas. Os gargarejos feitos regularmente podem prevenir a proliferação do vírus. De certa maneira, os gargarejos com água salgada têm o mesmo efeito, numa pessoa em estado saudável, que a vacina sobre uma pessoa infectada.

Não devemos subestimar este método preventivo simples, barato e eficaz. Os vírus não suportam a água morna contendo sais.

4. Ao menos uma vez por dia, à noite, por exemplo, limpe as narinas com a água morna e sal. Assoe o nariz com vigor, e, em seguida, com um cotonete para ouvidos (ou um pouco de algodão) mergulhado numa solução de água morna com sal, passe nas duas narinas. Este é um outro método eficaz para diminuir a propagação do vírus.

O uso de potes nasais para limpeza das narinas, contendo água morna e sal de cozinha, é um excelente método para retirar as impurezas que albergam os vírus e bactérias; trata-se de um costume milenar, da Índia.

5. Reforce o seu sistema imune comendo alimentos ricos em vitamina C.

Se a vitamina C for tomada sob a forma de pastilhas ou comprimidos, assegure-se de que contem Zinco, a fim de acelerar a absorção da vit. C.

6. Beba tanto quanto possível bebidas quentes (chás, café, infusões etc.).

As bebidas quentes limpam os vírus que podem se encontrar depositados na garganta e em seguida depositam-nos no estômago onde não podem sobreviver, devido o PH local ser ácido, o que evita a sua proliferação.”

Anúncios

Etiqueta da fruta que começa com 8, NÃO COMPRE!

Etiqueta da fruta começa com 8(OITO)

NÃO COMPRE!

Se encontrar fruta ou vegetais com a etiqueta que começa pelo algarismo 8,

NÃO COMPRE!

Saiba o que isso significa…

É importante que saiba o significado do algarismo 8 no início do número, e depois disso de certeza que vai olhar mais para os rótulos das frutas e vegetais, e evitar comprar os que começam por 8!

Algumas informações importantes podemos encontrar não só nas embalagens dos produtos confeccionados, mas também nas etiquetas daquelas frutas.

As etiquetas não servem somente para colocar o logótipo da empresa, mas também para indicar o modo de cultivo das frutas ou verduras.

Veja como distinguir produtos cultivados com agrotóxicos, biológicos ou modificados genèticamente.

As etiquetas têm um código chamado PLU que indica o modo de cultivo.

Se a etiqueta tem 4 algarismos foi cultivado de maneira tradicional, com pesticidas e fertilizantes.

Neste caso o número indica simplesmente o produto vendido: o 4011, por exemplo, são as bananas.

Se na etiqueta estão cinco algarismos e o primeiro é 8, o produto é OGM (Organismos Geneticamente Modificados).

Por exemplo uma banana geneticamente modificada terá o número 84011.

Se a etiqueta tem cinco algarismos e o primeiro é 9, o produto vem de cultura que não usa pesticidas.

Uma banana cultivada biologicamente terá o código 94011.

Existem alguns alimentos que estão muito mais sujeitos a tratamentos químicos: Veja quais são a seguir.

  • Morango
  • Maçã
  • Pêssego
  • Uva
  • Cereja
  • Espinafre
  • Tomate
  • Pimento

E outros que dificilmente são tratados quimicamente:

  • Abacate
  • Milho
  • Abacaxi
  • Ervilha
  • Cebola
  • Espargo
  • Manga
  • Papaia (Mamão)
  • Kiwi

A partir de agora, fique de olho na etiqueta! É para o seu bem! Compartilhe essa informação com seus amigos e familiares.

Divida Publica.

Dívida governamental ou dívida pública é o termo usado para descrever o endividamento de qualquer divisão administrativa, desde uma vila até um país. A dívida do governo de um dado país também é chamada por vezes de dívida nacional. Wikipédia

    Aumento da dívida em clima de austeridade

    Houve alguns factores, desde o início do programa de ajustamento financeiro que se deu início em 2011, que fizeram crescer a dívida pública, mesmo tendo havido corte da despesa. Eles são essencialmente três:

  • Tendo havido recessão (à data de 2014, um decréscimo de cerca de 7% do PIB desde que começou a crise das dívidas soberanas) e sendo a dívida apresentada como um rácio onde no denominador consta o PIB, esse rácio aumenta exactamente porque o PIB diminui.

  • Uma boa parcela da dívida até 2011 estava “oculta“, pois apesar de tecnicamente ser pública, pois era devida por empresas públicas (Metro, CP, Carris, REFER, etc.) ou de empresas no perímetro do Estado, a mesma não era apresentada na contabilidade oficial da dívida. Desde 2011 que essa dívida tem passado gradualmente para o domínio do Tesouro, ficando as empresa públicas obrigadas a financiarem-se junto do Orçamento de Estado e não da banca comercial. A título de exemplo, à data da assinatura do memorando, só a dívida das empresas de transportes públicos rondava 17 mil milhões de euros, cerca de 10% do PIB.

  • Tendo o BCE, a Comissão Europeia e o FMI emprestado a Portugal cerca de 78 mil milhões de euros (47% do PIB), aquando do memorando de entendimento, esse mesmo valor foi sendo gradualmente adicionado à dívida pública.

    Tende-se a concluir que a subida da dívida pública relativamente ao PIB desde o início do programa de ajustamento, deve-se principalmente ao efeito acumulado da recessão, iniciada em 2009 e terminada em 2014, combinada com vários factores, tais como a reforma do Sistema Europeu de Contas Nacionais e Regionais introduzida em 2013, que levou à contabilização de dívidas ocultas de parcerias publico-privadas e de dívidas de empresas públicas,[6]e o início de pagamentos de parcerias publico-privadas contratadas governos anteriores mas cujo início dos pagamentos tinha sido remetido para os anos seguintes.[7]

    Dívida pública de Portugal, valor bruto até 2006, e distinção da parte líquida e dos depósitos de 2007 em diante.

    Em 2014, aquando do fim do programa de assistência financeira, o XIX Governo Constitucional de Portugal também contribuiu para um aumento da dívida pública ao tomar a decisão de reter uma parcela do dinheiro concedido ao abrigo do programa para constituir uma almofada de liquidez para fazer face a despesas futuras, de maneira a permitir evitar recorrer ao mercado em condições desfavoráveis para o estado português.[8] Em Março de 2015, a almofada financeira acumulava 24 mil milhões de euros[9] mas no final de 2015 os depósitos da Administração Central ficaram em apenas 13.25 mil milhões de €, o que levou à descida da dívida bruta para 129,0% do PIB. A dívida líquida só começou a descer em percentagem do PIB em 2016, mas como houve um aumento dos depósitos para os 17,28 mil milhões de €, isso fez com que o total da dívida bruta voltasse a subir para os 130,5% do PIB, segundo os dados do Banco de Portugal.Wikipédia

    É por esta razão que as mulheres infiéis não se divorciam dos maridos.

    Os homens e as mulheres encaram de forma muito diferente as relações que têm e as traições também.

    Os resultados mostram as diferenças entre homens e mulheres, e a forma diferente como ambos lidam com as relações amorosas que mantêm.

    Há coisas que levam a acreditar que homens apenas traem por questões meramente sexuais, e as mulheres por questões mais afectivas, algo que leva a que as coisas com o ‘outro’ evoluam de uma forma muito mais significativa, por parte das mulheres.

    ‘Elas’, na maior parte das vezes, pretendem e procuram carinho, compreensão e outras razões que as fazem ficar muito mais apegadas ao mundo fora da relação assumida.

    As razões para as mulheres não se divorciarem são estas:

    1. 55% das mulheres acreditam que os divórcios trazem, no caso de existirem filhos, muitas consequências negativas.

    2. 35 % das mulheres afirma que apenas queria experimentar coisas novas e dar mais entusiasmo às suas vidas;

    3. 27,5% acabam por trair por sentirem que os maridos não lhes dão a devida atenção;

    4. 61% das mulheres quando traem não tencionam divorciar-se em virtude da traição;

    5. 10% das mulheres são infiéis apenas por vingança, por saberem que os maridos também as traíram;

    Discriminar como Jesus discriminou

    O facto de paroquianas aparecerem grávidas indica que talvez a homossexualidade dos clérigos não seja o problema mais premente da igreja.

    Duas semanas depois de se saber que um padre madeirense tinha sido pai de uma menina, o cardeal-patriarca defendeu que os homossexuais não deviam poder ingressar no seminário. Desejo a todo o custo evitar ser acusado do terrível pecado de atheistsplaining, mas este parece-me um raciocínio difícil de seguir: o facto de paroquianas aparecerem grávidas indica que talvez a homossexualidade dos clérigos não seja o problema mais premente da igreja. Não se percebe, aliás, como poderia ser um problema. Antes pelo contrário: os padres juram manter-se celibatários, e impor o celibato a um homossexual é uma solução que a moral católica costuma ver com muito agrado.

    Para justificar a proibição, o cardeal-patriarca disse: “Em Cristo não há nada de homossexual, como os evangelhos relatam”. É verdade. 
Mas também não há nada de heterossexual. 
Cristo não manifesta interesse sexual por ninguém. O que, deve dizer-se, é pena. A Bíblia teria ainda mais leitores se o Messias, em conversa com os apóstolos, fizesse considerações do género: “Em verdade vos digo que a filha daquele fariseu é mesmo boa.” O que pode dizer-se com propriedade é que em Cristo não há nada de discriminatório. Parece ser essa, aliás, a característica que mais seduz os crentes. Por outro lado, é muito raro ouvirmos um teólogo louvar-lhe a heterossexualidade.

    Na mesma ocasião em que rejeitou a entrada de homossexuais no seminário, o cardeal-patriarca também falou no padre madeirense. Disse que o padre poderia continuar na igreja, desde que “na fidelidade ao celibato, sem vida dupla”. Porque, acrescentou, um padre deve escolher “não constituir família”, pois só assim poderá ser “familiar de todos”. Estas declarações são ainda mais surpreendentes. Ninguém defende mais a família e o superior interesse da criança do que a igreja. Essa defesa costuma ser feita nestes termos: uma criança precisa de uma família, e uma família é constituída por um pai e uma mãe. A criança, sublinham sempre, precisa imprescindivelmente dessas duas figuras. É por isso que outros modelos de família não são admissíveis. Mas neste caso, ao que parece, acima do inferior interesse da criança está o superior interesse da diocese. O pai da criança deve renunciar à família, porque tem outras obrigações mais importantes. Aquela criança não pode ter uma família porque o pai tem de ser “familiar de todos”. Resumindo: naquele dia, o cardeal-patriarca disse que um homossexual não deve procurar uma vida de celibato e um heterossexual não deve constituir família. Julgo que é disto que fala o livro do Apocalipse. Vou procurar abrigo.

    Boca do Inferno

    30.11.2017

    Ricardo Araújo Pereira