Vê o que fez o François Hollande (em 56 dias de presidência)

Estas são as medidas tomadas por François Hollande (não palavras … actos) … em 56 días no cargo:

– Suprimiu 100% dos carros oficiais e mandou que fossem leiloados; os rendimentos destinam-se ao Fundo da Previdência e destina-se a ser distribuido pelas regiões com maior número de centros urbanos com os suburbios mais ruinosos.

– Tornou a enviar um documento (doze linhas) para todos os órgãos estaduais que dependem do governo central em que comunicou a abolição do “carro da empresa” provocativa e desafiadora, quase a insultar os altos funcionários, com frases como “se um executivo que ganha € 650.000/ano, não se pode dar ao luxo de comprar um bom carro com o seu rendimento do trabalho, significa que é muito ambicioso, é estúpido, ou desonesto. A nação não precisa de nenhuma dessas três figuras ” . Fora os Peugeot e os Citroen. 345 milhões de euros foram salvos imediatamente e transferidos para criar (a abrir em 15 ago 2012) 175 institutos de pesquisa científica avançada de alta tecnologia, assumindo o emprego de 2560 desempregados jovens cientistas “para aumentar a competitividade e produtividade da nação.”

– Aboliu o conceito de paraíso fiscal (definido “socialmente imoral”) e emitiu um decreto presidencial que cria uma taxa de emergência de aumento de 75% em impostos para todas as famílias, líquidas, que ganham mais de 5 milhões de euros/ano. Com esse dinheiro (mantendo assim o pacto fiscal) sem afetar um euro do orçamento, contratou 59.870 diplomados desempregados , dos quais 6.900 a partir de 1 de julho de 2012, e depois outros 12.500 em 01 de setembro, como professores na educação pública.

– Privou a Igreja de subsídios estatais no valor de 2,3 milhões de euros que financiavam exclusivas escolas privadas, e pôs em marcha (com esse dinheiro) um plano para a construção de 4.500 creches e 3.700 escolas primárias, a partir dum plano de recuperação para o investimento em infra-estrutura nacional.-

– Estabeleceu um “bónus-cultura” presidencial, um mecanismo que permite a qualquer pessoa pagar zero de impostos se se estabelece como uma cooperativa e abrir uma livraria independente contratando, pelo menos, dois licenciados desempregados a partir da lista de desempregados, a fim de economizar dinheiro dos gastos públicos e contribuir para uma contribuição mínima para o emprego e o relançamento de novas posições sociais.

– Aboliu todos os subsídios do governo para revistas, fundações e editoras, substituindo-os por comissões de “empreendedores estatiais” que financiam acções de actividades culturais com base na apresentação de planos de negócios relativos a estratégias de marketing avançados.

– Lançou um processo muito complexo que dá aos bancos uma escolha (sem impostos): Quem porporcione empréstimos bonificados às empresas francesas que produzem bens recebe benefícios fiscais, quem oferece instrumentos financeiros paga uma taxa adicional: é pegar ou sair.

– Reduzido em 25% o salário de todos os funcionários do governo, 32% de todos os deputados e 40% de todos os altos funcionários públicos que ganham mais de € 800.000 por ano. Com essa quantidade (cerca de 4 milhões) criou um fundo que dá garantias de bem-estar para “mães solteiras” em difíceis condições financeiras que garantam um salário mensal por um período de cinco anos, até que a criança vai à escola primária e três anos se a criança é mais velha. Tudo isso sem alterar o equilíbrio do orçamento.

Resultado: Olhem que SURPRESA !!!

O spread com títulos alemães caiu, por magia.

A inflação não aumentou.

A competitividade da produtividade nacional aumentou no mês de junho, pela primeira vez em três anos.

pixel.gif?upn=675756565984460740

Anúncios

72 thoughts on “Vê o que fez o François Hollande (em 56 dias de presidência)

  1. Sonhar é grátis mas basta analisar logo a medida que diz:
    “Suprimiu 100% dos carros oficiais …” (ou seja 0 carros oficiais?? Obviamente falso)
    Para perceber que quem escreveu isto não se baseia em dados verdadeiros.
    Não criticando nem defendendo o senhor Hollande basta recordar a quem visita este blog que não existem milagres e que não se fazem mega transformações em tão pouco tempo.
    A maior parte das reformas que trazem sucessos duradoiros demoram anos a implementar e muitas vezes quando são criadas não trazem sucessos imediatos nem são sequer sentidas no imediato pelo cidadão comum.
    Antes de repassarem informações como o que está neste post, façam o favor de: pensar, refletir, criticar, verificar fontes e só por fim divulgar a informação.

    Gostar

  2. Bem, também é verdade que… em 56 dias, o défice francês aumentou 43.2 biliões de euros em relação ao primeiro trimestre de 2012, chegando à barreira dos 90% em relação ao PIB, agora a minha pergunta é, porque será?

    Gostar

  3. Rui,

    Obrigada pela publicação do artigo, bem como a intenção visivelmente intrínseca no mesmo. Esperemos que corresponda à verdade, e que, caso assim seja, alguns lhe sigam o exemplo, bem como o de Lula da Silva.
    Espero igualmente que os leitores ponderem para onde devem disparar as suas frustações… se para os responsáveis pelo estado da nação, se para quem se predispõe a divulgar o que anda a ser feito.

    Um bem haja

    Gostar

  4. A ser verdade, embora eu não concorde com este sistema europeu, gostaria de o ter cá em Portugal para correr com os partidos que estão no poder há mais de trinta anos e o que fizeram atá agora foi favorecer o capital e os bancos em prejuízo da classe trabalhadora que é quem produz riqueza no país.

    Gostar

  5. Pelos comentários que acabei de ler não faltaram correcções à pessoa que tinha referido que o François Hollande era uma mulher… Muito bem!!! Estão todos de parabéns!!! Gostei muito deste espírito solidário.

    Gostar

  6. Sr Eurlo Heibel, François Hollande não e uma sra mas sim um sr, e em França não se brinca com as pessoas como fazem em Portugal ou na Grécia e pena não haver mais políticos como ele

    Gostar

    • Srª Laura, em primeiro lugar o meu nome está claro, quer no postal quer no titulo do próprio blogue. Segundo lugar como já respondi a outro comentário, não encontro no texto, qualquer referencia a que Hollande seja do sexo feminino. Terceiro lugar afirma que em França não se brinca… não entendo a que se refere, se os governos não brincam com os cidadãos, para usar palavras suas, se afirma que os franceses são pessoas tão respeitadoras dos seus governantes, que não brincam com eles. Concordo que até ao momento me parece um bom politico, nas medidas tomadas, mas a seu tempo veremos.

      Gostar

  7. Sr Eurlo Heibel François Hollande não e uma sra mas sim um sr, e em França não se brinca com as pessoas como fazem em Portugal ou na Grécia e pena não haver mais políticos como ele

    Gostar

  8. Bom dia.
    Apesar de poder parecer politicamente correcto, as medidas que refere são medidas políticas. Não passam disso. Diria, até, que várias ou não têm qualquer impacto ou têm impactos negativos (nomeadamente essa de taxar a riqueza). A aplicação de mais impostos sobre o capital resultou na saida dos ricos do pais. Quem agradeceu foi a Suiça e a Inglaterra que aceitou essas familias. Resultado, empobreceu o pais.
    Temos de aprender que a solução não passa por mais impostos, muito menos sobre o capital. O capital é móvel. Quem vive na UE tema possibilidade de movimentar o seu capital livremente.
    O que esse senhor fez foi empobrever o pais…
    A queda dos spreads e afins nada teve que ver com essas medidas…
    Pelo menos mostra serviço

    Gostar

    • Boa tarde.
      Todo o governante, em pleno uso das suas atribuições, toma medidas politicas.
      Tudo é politica. Os governantes que podem tomar medidas são políticos, pois como todos sabemos nas sociedades democráticas, quem são elegíveis são os políticos (independentemente da sua vida profissional). Os políticos que, nos casos que conheço, querem tomar ou tomam medidas razoáveis e tecnicamente adequadas, normalmente duram pouco nos governos.
      Ainda não tomei conhecimento, fico agora a saber, que as famílias ricas se foram embora de França, mas é plausivel que nalguns casos isso aconteça. No entanto, não me parece preocupante que famílias ricas façam falta na sociedade francesa. A Srª Vanderbilt, e outros, até queriam pagar taxa suplementar, para ajudar a França, ainda no tempo de Sarkozy… Faz falta é empresários que, queiram investir em França e, lá paguem os seus impostos.
      O paradigma europeu é que tem de mudar, pois senão …

      Gostar

  9. Se ao reduzir em 25% o salário dos funcionários de governo, en 32% todos os deputados, 40% todos os funcionários públicos etc., etc. só arrecadou cerca de 4 milhões, toda essa gente deveria ganhar uma miséria!!

    Gostar

  10. pura ilusao, ainda nada foi colocado no terreno, ate porque os bancos franceses nao o deixaram mexer nas suas benesses!!!!!!!!!!!!!!!! alem disso é um homem, mas sao franceses por isso a duvida!!!!!!!!!!!!!!!!

    Gostar

  11. Ah! D. Dilma, copie o Françõis. esqueça o Molusco
    e suas enganações! E áí a sra tirará o título de
    Melhor Presidente Brasileiro de Todos os Tempos
    que ele, o Molusco, se deu!
    E eu esquecerei que a sra é do PT.
    Quem pensa como eu? Sarah

    Gostar

  12. Isto é totalmente falso. Hollande tem sido criticado precisamente por só ter feito reformas muito tímidas comparativamente a tudo o que tinha feito. Basta acompanhar os sites/blogues políticos franceses para perceber isso. De igual modo muitas das afirmações nem sequer são razoáveis, sendo o mais gritante o seguinte ponto:

    “Privou a Igreja de subsídios estatais no valor de 2,3 milhões de euros que financiavam exclusivas escolas privadas, e pôs em marcha (com esse dinheiro) um plano para a construção de 4.500 creches e 3.700 escolas primárias, a partir dum plano de recuperação para o investimento em infra-estrutura nacional.”

    Uma, apenas uma escola/creche tem automaticamente um custo superior a 2,3 milhões de euros. Imagine-se duas, ou três, ou, para o caso, 9200 construções deste tipo… enfim…

    Gostar

    • Acredito que as suas fontes sejam seguras, tal como eu tenho as minhas que me asseguram que as medidas estão em marcha.
      Os blogues franceses são como os dos restantes países, quer europeus quer de continentes em que a democracia funcione. Ficamos esclarecidos?

      Gostar

  13. Bem complicado mesmo quando não se tem nenhuma fonte. Dizer que foi retirado do Le Monde é osso mesmo!! Kde o link??? Procurei sobre isso na net e encontro um bando de blog que copiam esta “noticia”.
    Seria bom das próximas vezes colocar as fontes!!! Se não tem, naum coloque!! Não precisamos de mais desinformação na net.
    abraços.

    Gostar

  14. Onde você encontrou esse texto sobre as ações do presidente eleito da França? O texto é seu, baseado em suas pesquisas? Ou foi publicado em algum lugar? Porque tenho lido que ele promete cortar gastos, mas não fala em criar empregos, criar riqueza, parar o vazamento de recursos, na zona do euro.

    Gostar

  15. Não encontro nenhuma destas medidas na internet. A única que encontro é a redução em 30% no ordenado do Presidente e dos seus 34 ministérios (34!!). De resto, mais nada. Tal como tantos outros gostaria de saber de onde encontrou estas informações. Porque para demagogia e populismo já nos chega os políticos que temos.

    Gostar

    • É verdade, dá é trabalho ler tudo o que se diz na imprensa e saber como quando as medidas são tomadas, se só passaram de intenções, etc.
      A demagogia e populismo faz parte da ementa da democracia, começando a ocidente até ao oriente e de norte para sul, tudo o que é democrático.

      Gostar

  16. Se a fonte for fidedigna… Parabéns. O mais estranho é ter havido divulgação na mídia internacional como um todo, de um feito tão exemplar.
    Concordo que Dilma deveria fazer e levar junto uma comitiva para este estágio.

    Gostar

    • Penso que no seu comentário, onde escreveu ” mais estranho é ter havido divulgação na mídia…” queria escrever mais estranho é não ter havido divulgação na mídia…
      As medidas tomadas, deste calibre, não são bem vistas nos países onde os mídia (para utilizar a sua expressão) estão condicionados ao poder económico dos seus “donos”. Saberá do que falo, mesmo em países democráticos. Em Portugal o jornal “expresso” um certo dia trouxe uma notícia verdadeira mas nada abonatória para um banco português. Esse banco, como não conseguiu que o jornal não revelasse a notícia, fez só o seguinte, cortou-lhe toda a publicidade!

      Gostar

  17. Sei não, tá me parecendo mais um boato deslizando no cyberespaço. Para fazer tudo isso o homem teria que ser um ditador, ou a França teria voltado ao absolutismo dos Luises, de qualquer sorte, no Brasil dos petralhas que ja foi dos privatucanos, tal coisa: NEM PENSAR!

    Gostar

  18. boa parte dessas “medidas” não fazem sentido nenhum.
    se eu trabalho para uma empresa e preciso de me deslocar ao serviço da empresa, obviamente, que a empresa tem que fornecer o meio de deslocação ou, em alternativa, pagar o uso de um à minha escolha. só um incompetente e ignorante acabaria com os ditos “carros de serviço”.

    não se criam centros de investigação às pazadas assim de repente sem fundamento, só para gastar dinheiro. há que haver uma razão cientifica para isso. além disso, poupar dinheiro num lado para o desbaratar em outro sem olhar a como se faz é o mesmo que deitar dinheiro fora.

    decretar os paraísos fiscais imorais não serve de nada, visto que eles são, geralmente, outros países sobre os quais a frança não tem influência legal. para acabar com isso teria q se acabar com todos ao mesmo tempo.
    e, obviamente, que aumentar os impostos para quem ganha mais para niveis gigantescos só fará com que essas pessoas, muito rapidamente, ou saiam do país ou fiquem sem nada. isso é uma ideia do tipico burro invejosos que, ao invés de trabalhar para que todos ganhem mais, tenta que ninguém ganhe muito, resultando assim num país em que todos ganham (muito) pouco.

    acabar com o financiamento às igrejas seria bom, é verdade. o que não faz sentido é criar milhares de creches e escolas primárias se não houver crianças para as ocupar.

    dar isenções fiscais a quem abrir livrarias seria boa ideia no século 18, não no 21, em que os livros se compram na internet e em formato digital.
    além disso, acham mesmo que a cultura se resume aos livros e que todos os licenciados iam querer trabalhar em livrarias?
    vamos já todos abrir livrarias para não pagar impostos, criando assim um paraíso fiscal devido à fraude em larga escala que resultaria disso.

    logo a seguir, pasme-se, abole-se tudo o que seja dinheiro para a cultura e financiam-se “empreendedores estatiais” (estatais, presumo) que apresentem “planos de negócios relativos a estratégias de marketing avançados”. sem olhar aos claros erros ortográficos, percebe-se a ideia é entregar o dito dinheiro a “artistas” e burlões do calibre do vale e azevedo.

    incentivar o crédito é algo muito bonito e que nos levou ao buraco em que estamos. obviamente que não foi só isso que aconteceu mas foi parte do problema. seria uma boa ideia com conta peso e medida. naturalmente, esses créditos iriam ser, depois, convertidos nos ditos “instrumentos financeiros”, que são outra parte do problema.

    reduzir drásticamente o rendimento das pessoas, sem olhar a quem, fazendo tábua rasa das suas competências só faria com que os melhores se fossem embora rapidamente. só um lunático acharia que as pessoas se deixariam estar se achassem que o seu trabalho seria mais bem pago noutro lugar. além disso, quem ganhasse, por exemplo, 1000 euros por mês iria passar a ganhar 750. uma fortuna, portanto.
    o dinheiro “poupado” seria entregue como abono de familia todas as “mães-solteiras” ou apenas às que, devido aos referidos cortes cegos nos salários, ficariam em dificuldades financeiras?

    o resultado também é estranho.
    fala-se em titulos alemães quando o texto é sobre a frança.

    a inflação, obviamente, não aumento, visto que a inflação é a taxa de variação de dinheiro a circular e esse iria baixar bastante, com tantos cortes e aumentos de impostos.

    estas medidas até poderiam influenciar a “competitividade da ‘produtividade’ (seria produção, outro erro) nacional” de repente, visto que os salários seriam mais baixos, o que faria com que fosse mais barato produzir em frança, o que não é, necessariamente, algo bom para os franceses. ainda assim, os efeitos nunca seriam tão rápidos e, naturalmente, as coisas iriam piorar antes de melhorar, se é que melhorariam.

    é normal que não haja fonte para esta lista de medidas visto que são, provavelmente, falsas.

    Gostar

    • Eu para trabalhar tenho que ir com o meu proprio carro e pago todas as minhas despesas com o meu salario. Ter carro e ainda por cima escolhido???? é por isso que essa cambada só anda de mercedes e bmw topo de gama e com motorista. pois, os opel e os fords mais velhinhos nao andam quer ver? e transportes publicos?? nao existe na sua terra com toda a certeza. se as medidas foram mesmo implementadas, fico contente por alguem estar a tirar as regalias a essa gente. Eles nao falam em construir, falam em promover e financiar mais, por exemplo, mais bolsas, mais projectos, mais material, para a investigação. Falata de projectos na area das ciencias pode crer que nao existe, mas falta de cabeça para pensar existe em muito lado e nao so na area das ciencias. e já agora, quem lhe disse que nao haviam crianças? por acaso fez algum estudo demografico sobre frança? acredito que nao estao a fazer como em Portugal, que metem a Mota Soares a reconstruir escolas e hospitais para depois fecharem.
      E já agora, se existe um maior financiamento para as empresas e ajudas para a manutenção de pequenas mepresas isso so fara com que a economia impulsione, e nao é com a asfixia que vemos em muitos paises europeus, caso portugal e espanha que estao a matar a sua economia, com taxas e impostos em tudo.

      Gostar

  19. Parabens a Messieur le President Hollande!
    As ações são fortes e demonstram poderes quase ditatoriais! O Presidente francês tem competência para tanto?
    Da mesma forma que os outros comentaristas, gostaria de saber as fontes de tais notícias para poder circulá-las com segurança entre amigos.

    Gostar

  20. Muito provavelmente estas informações sao falsas. Pertenço á zona EURO, e caso estas informações fossem verdade corriam todas as noticias e estações televisivas, coisa que não acontece! Ainda está pra nascer o presidente que vai tomar medidas deste genero!

    Gostar

  21. E estes dados encontram-se onde? Se tudo o que proclama aqui é verdadeiro então, para grande tristeza minha, vivemos num país de políticos muito mas muito incompetentes e que não zelam pelos interesses dos cidadãos…

    Gostar

  22. Tem alguma fonte para comprovar essas informações? Realmente François mostra que não entrou pra brincar, e é triste pensar que o Brasil não está preparado para políticos desse calibre.

    Gostar

Deixar uma resposta. Leave a reply.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s