LITURGIA PAGÃ

Pagão provém do latim pagus = marco de terreno, aldeia, por oposição à cultura citadina. O radical indo-europeu pak (donde pau) designa a união, estabilidade e a força próprias de Pacto e Paz.

Página também deriva do mesmo étimo, significando originalmente

campo lavrado em esquadria respeitando um marco («pau») bem fixo,

ao que se assemelha uma folha de papel escrita.

Liturgia deriva do grego laos (povo, leigo) e ergon (trabalho),

donde a ideia de «serviço público».

Liturgia pagã reflecte o trabalho de reflexão sobre as leituras dominicais (da Igreja Católica) com a liberdade e humildade de quem é «pagão».

15º Domingo do tempo comum (ano B)

1ª leitura: Profeta Amós, 7, 12-15

2ª leitura: Carta de S. Paulo aos Efésios, 1, 3-14 Evangelho: S. Marcos, 6, 7-13

Em terreno minado

Haverá estratégias para caminhar em terreno minado? A melhor será o estudo aturado do próprio terreno, uma longa e discreta experiência – e não querer ir depressa demais.

Amós sabia que caminhava em terreno minado. Nem se queria apresentar como profeta, por causa das rivalidades político-religiosas do seu tempo. Mas fez uso do bom senso adquirido e não se deixou levar pelas aparências: intuiu certeiramente que a calma dos inimigos de Israel (sob Jeroboão II, 783-743) prenunciava a expansão do mais terrível inimigo – o poder assírio. Também antes da tempestade vem a bonança…

E apregoava que acabam mal as jogadas políticas que não assentam na justiça. O aumento aparente da «riqueza nacional» do reino de Israel acompanhava-se de um fosso cada vez maior entre pobres e ricos, de corrupção generalizada e de ostensiva opressão dos mais desfavorecidos, por parte dos próprios tribunais. Impunha-se basear a exigência de justiça no único fundamento incorruptível e fiel: Deus.

Amós «professou» claramente esta exigência – e foi acusado violentamente de agir como subversivo da situação política. O «partido de Deus» não traz benesses…

Para exemplo desta liberdade que não se deixa comprar, Jesus manda os discípulos, com a maior simplicidade possível, para o «terreno minado». Quanto menos se leva, mais leve se vai e menor é o perigo. Por outro lado, mais pessoas se deixarão impressionar positivamente com este espírito de aventura, aventurando-se elas também a abrir as portas. Perante aqueles que não mostrarem ao menos curiosidade em ouvi-los, os discípulos «sacudirão o pó dos pés» (esta atitude de rompimento era assim simbolizada, na época): isto é, não se deixariam «minar» pelos horizontes fechados dessa sociedade.

Fazia mesmo falta o optimismo da carta aos Efésios (muito provavelmente escrita por um discípulo de S. Paulo, pouco tempo antes do martírio do «Apóstolo dos Gentios», que ocorreu em 66 ou 67). Nesta carta, a «plenitude dos tempos» não se refere a um fim do mundo iminente (os «últimos dias»), mas sim ao tempo indeterminado depois de Cristo, em que «o reino de Deus» vai crescendo lentamente e humanizando toda a criação, através da acção dos que o procuram. A Humanidade é vigorosamente chamada a unir-se para fazer o que é bom.

A passagem escolhida dessa carta deixa-nos sem fôlego: na realidade, tem a estrutura de uma frase única, bem cadenciada, repleta de antiquíssimas fórmulas litúrgicas e de imagens grandiosas ao sabor do tempo, apenas compreensíveis para os familiarizados com as ideias centrais do Antigo Testamento e da cultura greco-romana. Grandes ideias e poderosas imagens, porém, que ainda hoje nos podem falar, devedores que somos à cultura judeo-cristã.

Mas se nela se diz que o ser humano é «um hino de louvor da glória de Deus», não é porque passaremos um céu a cantar, depois de passarmos a terra a chorar (visão triste do cristianismo). A «glória» de Deus manifesta-se quando nos aventuramos à procura da «luz» (ou «glória») de Deus, na esperança de «um mundo novo». Procurar «a luz de Deus» é o «santificado seja o teu nome» do Pai Nosso, expressão judaica que significa «faz com que possamos conhecer quem tu és».

Com Jesus Cristo, o terreno minado da vida deixou de ser intransponível. Mas sem gastar o calçado e ferir os pés nos caminhos vulgares e poeirentos de tanta gente e de tantos ventos, as mais belas ideias resolvem-se a poeira. Quantos planos «pastorais» estão presos «numa torre de marfim»! A beleza de ser cristão só é real no suor, no entusiasmo, nos insucessos e sucessos de quem vai mesmo ao encontro dos outros.

MANUEL ALTE DA VEIGA

m.alteveiga@netcabo.pt

Anúncios

Deixar uma resposta. Leave a reply.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s