Títulos do Montepio disparam 46% em bolsa

Ainda dizem que não há milagres!

Os títulos da Caixa Económica Montepio Geral, liderada por Félix Morgado, atingiram ontem um novo máximo dos últimos 14 meses, fechando a sessão nos 0,62 euros. Foi uma  subida de 46% no valor das unidades de participação da instituição negociadas na praça lisboeta, face a segunda-feira. De acordo com a Reuters, o equivalente a 110 mil euros em títulos do Montepio mudaram de mãos numa só sessão. A agência noticiosa, que recorda que normalmente os títulos do banco têm pouca liquidez, associa a movimentação fora do comum com “rumores de mercado”, segundo os quais “um novo accionista português poderá entrar no Montepio”.

Anúncios

Confiança ao máximo mas efeito na economia pode ser menor

Taxa de poupança a mínimos e maior prudência dos consumidores sobre a sua própria situação financeira pode limitar passagem à prática de maior optimismo.

A confiança dos consumidores portugueses está ao nível mais alto de que há registo, mas o elevado nível de endividamento das famílias e as próprias características do recente  aumento do optimismo indiciam que o efeito positivo no consumo e no PIB pode, desta vez, ser mais moderado do que no passado.

Olhando para a série do índice de confiança dos consumidores produzido pelo Instituto Nacional de Estatística desde Novembro de 1997 é fácil chegar a duas conclusões: o nível registado durante este mês de Maio é o mais alto alguma vez atingido e as variações da confiança têm ocorrido sempre em simultâneo com evoluções no mesmo sentido do consumo das famílias e do PIB.

Por isso, a questão coloca-se: será esta aceleração da subida do consumo privado que se tem vindo a verificar durante os últimos meses e que se acentuou em Maio uma antecipação de uma forte aceleração da economia e do consumo durante o mesmo período? Isto é, o acréscimo de confiança irá empurrar os consumidores a gastar mais e a dar um ainda maior impulso à economia?

A experiência do passado e os estudos académicos sobre o assunto fazem antever que, em determinada medida, esse efeito positivo se faça sentir. No entanto, desta vez, há alguns motivos para pensar que a passagem à prática do optimismo dos consumidores possa ser feita de forma mais moderada do que em ocasiões anteriores.

Para já, no primeiro trimestre, é verdade que se regista, a par da tendência de subida dos indicadores de confiança, uma aceleração forte da economia. De acordo com a estimativa rápida publicada pelo INE no início do mês, a economia registou uma variação homóloga do PIB de 2,8%, uma aceleração forte face aos 2% do quarto trimestre de 2016.

Mas, embora só hoje sejam divulgados os dados relativos às diversas componentes do PIB, o INE

já deu indicações de que os principais contributos para a aceleração vieram mais das exportações e do investimento e menos do consumo privado.

Para além disso, tanto nas previsões do Governo como nas de outras instituições nacionais e internacionais, as previsões para este

ano e para o outro são as de ocorrência de um ligeiro abrandamento do consumo, que não constitui assim o motor da retoma progressiva da economia portuguesa.

Há duas justificações para que, desta vez, os índices de confiança dos consumidores possam vir a registar uma aceleração mais forte do que o consumo.

A principal é o facto de as famílias portuguesas já apresentarem nesta fase níveis de numa situação em que o rendimento disponível se mantém estável, a forma como um aumento do optimismo dos consumidores se traduz em mais consumo é através de uma redução da poupança. Mas, agora, face aos níveis mínimos históricos já atingidos, o espaço de manobra para grandes mudanças parece pequeno.

Este indicador revela também a forma como o elevado nível de endividamento acumulado ao longo das últimas décadas pelas famílias poupança extremamente baixos. Geralmente, portuguesas constitui, num cenário de subida muito moderada dos rendimentos, um obstáculo para a aceleração do consumo.

Há outra justificação para a subida do índice de confiança dos consumidores: os dados revelados pelo INE revelam uma melhoria do tom das respostas dos inquiridos à generalidade das questões, mas, quando se olha para as expectativas em relação aos próximos 12 meses, é evidente que o maior optimismo deve-se mais face à evolução da economia como um todo do que face à evolução da situação financeira individual das pessoas inquiridas.

Enquanto o indicador relativo à situação económica do país está a níveis máximos desde 1997, as expectativas em relação à situação financeira do agregado familiar também estão a subir, mas ainda não atingiram um novo recorde.

O que isto significa é que, embora estejam a antecipar a continuação de uma grande melhoria da situação geral da economia portuguesa, os consumidores portugueses são mais prudentes no que diz respeito à sua própria situação, o que se pode traduzir também em mais prudência na hora de consumir.

As respostas a outras questões mostram o mesmo tipo de lógica.

Os inquiridos revelaram uma melhoria muito expressiva, mas novos máximos da série, das expectativas em relação ao mercado de trabalho, antecipando a continuação de uma descida do desemprego, mas já não mostram assim tanto optimismo quando são questionados em relação à sua disponibilidade para realizar nos próximos 12 meses aquisições de bens de equipamento ou em relação à oportunidade de realização de poupança.

Ainda assim, num cenário em que a grande aposta para a aceleração da economia reside essencialmente na continuação do ritmo forte das exportações e na retoma do investimento, a consolidação em Portugal de um nível de confiança elevada entre os consumidores constitui, mesmo perante as limitações existentes, mais um sinal de que em 2017 o crescimento pode vir a ficar claramente acima dos 1,8% previstos pelo Governo.