Tomar antibióticos até ao fim? É errado, diz um novo estudo

A indicação clínica de que os antibióticos devem ser tomados até ao fim da prescrição revela um efeito perverso, ao potenciar a resistência a bactérias, alertam especialistas num novo estudo.

A indicação é invariavelmente a mesma: “Tem de tomar o antibiótico, sem interrupções, durante o período prescrito”, dizem os médicos aos seus doentes. Problema: segundo um novo estudo publicado no British Medical Journal, o “período prescrito” vai muito para lá daquilo que seria necessário e isso acaba por ter um efeito perverso, ao potenciar a resistência do corpo humano a bactérias — precisamente a justificação apresentada para que o antibiótico seja tomado até ao fim.

“Historicamente, as terapêuticas de antibióticos eram guiadas pelo receio de um subtratamento, havendo menos preocupações com o consumo excessivo”, diz Martin Llewelyn, professor de doenças infecciosas da Brighton and Sussex Medical School, no sul de Inglaterra. Num discurso que desafia as práticas médicas tradicionais e generalizadas, o principal autor do estudo considera que “a ideia de que parar os tratamentos de antibiótico mais cedo encoraja a resistência aos antibióticos não é suportada por factos, ao passo que tomar antibióticos por períodos mais longos que o necessário aumenta esse risco de resistência”, diz Llewelyn, citado pelo Telegraph. “Nós encorajamos os responsáveis políticos, educadores e médicos a deixar de advogar a ‘toma completa’ quando comunicam com o público”, pede o especialista.

No estudo que desenvolveram, os especialistas concluíram que a toma prolongada de antibióticos potencia a formação de bactérias perigosas que crescem na pele e no estômago e que podem vir a causar problemas mais tarde. A ideia é simples, ainda que esteja na antítese da convenção: quanto mais prolongada for a toma, mais se fortalece essa resistência.

A conceção de que a toma mais curta de antibióticos enfraquece a resistência a bactérias tem mais de 70 anos. Foi Alexander Fleming, prémio Nobel da Medicina, lembra o Telegraph, quem sublinhou, no próprio discurso da cerimónia em que recebeu a distinção, a importância de se fazerem tomas completas: “Se tomarem penicilina, tomem o suficiente”.

O diário espanhol El Mundo avança com alguns exemplos de tomas excessivas — à luz do estudo liderado por Martin Llewelyn — e que em alguns casos pode ser até quatro vezes superior ao necessário. É o caso das infeções intra-abdominais: a regra diz que o antibiótico deve ser tomado entre sete a 14 dias. Mas, segundo o estudo, quatro dias de toma de antibióticos é suficiente para resolver a infeção.

Noutros casos, a diferença é menos significativa. Por exemplo, para uma otite, os dez dias habitualmente recomendados para a toma deviam ser substituídos por apenas cinco. E, para as amigdalites o antibiótico não deveria ser tomado além dos seis dias (com um mínimo de três), quando as prescrições atuais são de 10 dias.

http://observador.pt/2017/07/27/tomar-antibioticos-ate-ao-fim-e-errado-dizem-especialistas/

Anúncios

Deixar uma resposta. Leave a reply.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s