Brexit – Britain (Grã-Bretanha) e exit (saída)

Começaram hoje as negociações para o brexit.

Quase um ano depois do referendo de 23 de Junho ter dado vitória à saída do Reino Unido da União Europeia, o Governo britânico deu esta segunda-feira início aquela que é descrita como a “negociação mais complicada de todos os tempos”. As negociações, que se devem estender pelos próximos dois anos, arrancaram às 11 horas (10 horas em Portugal) em Bruxelas, com o encontro entre o secretário britânico encarregado pelas negociações bilaterais, David Davis, e o homólogo europeu, Michel Barnier.

O Reino Unido quer discutir um acordo de saída do bloco europeu que inclua um tratado de livre comércio, mas do lado dos europeus as prioridades são outras. A Comissão Europeia está empenhada em garantir os direitos dos cidadãos europeus em território britânico e estabelecer o valor a ser pago por Londres por accionado o artigo 50º do Tratado Europeu, antes de se avançar para as negociações do pós-Brexit.

David Davis mostrou-se confiante à entrada da sede da Comissão Europeia, em Bruxelas, dizendo aos jornalistas que o Reino Unido está “a iniciar essa negociação de forma positiva e construtiva”. O secretário britânico sublinhou que apesar de o país ter iniciado o processo de divórcio da União Europeia, “o Reino Unido continuará a ser um parceiro comprometido e aliado do continente”. “Há mais o que nos une do que o que nos separa”, reiterou.

No Luxemburgo, a assistir a uma reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros, o ministro britânico Boris Johnson afirmou que acredita que “todo este processo levará a uma resolução feliz, que pode ser alcançada com honra e benefício para ambas as partes”.

O país deve abandonar a União Europeia definitivamente em Março de 2019, dois anos após o início oficial do procedimento de saída.

The World’s Most Valuable Soccer Teams 2017

No soccer team has done as good a job as Manchester United at turning a storied history of success on the pitch into profits.

The Red Devils have won a record 13 titles in the Premier League since the top flight of English soccer was given that name in 1992. During that time Manchester United has also made it to four Champions League finals, winning in 1999 and 2008.

Ashley Young, Eric Bailly, Daley Blind and Chris Smalling of Manchester United take selfies with the trophy after the UEFA Europa League Final between Ajax and Manchester United at Friends Arena on May 24 in Stockholm, Sweden. (Photo by Alex Grimm/Getty Images)

And now for the first time in five years, Manchester United is the world’s most valuable soccer team, worth $3.69 billion. The team’s return to the top spot is a testament to their powerful brand and marketing acumen. Manchester United generated revenue of $765 million during the 2015-16 season, $77 million more than both Barcelona and Real Madrid.

Manchester United brought in $405 million in advertising and sponsorship revenue, more than any other soccer team. And the Red Devils are also by far the most profitable soccer team in the world, posting operating income of $288 million, $107 million more than runner-up Real Madrid. It will not be easy to overtake the Red Devils in the near future: By winning the Europa League this year, Manchester United qualified for the lucrative 2017-18 Champions League.

The world’s most valuable soccer teams are big businesses because of the popularity of their brands and the sport’s unparalleled global audience. The 20 most valuable soccer teams this year are worth an average of $1.48 billion, 3% more than a year ago. Following Manchester United in value are Barcelona ($3.64 billion), Real Madrid ($3.58 billion), Bayern Munich ($2.71 billion) and Manchester City ($2.08 billion).

All revenues and operating income figures in our table are for the 2015-16 season, converted into U.S. dollars based on average exchange rates for the same period. Team values are enterprise values (equity plus net debt) and are based on exchange rates as of April 24. Operating income is earnings before interest, taxes, depreciation and amortization, player trading and disposal of player registrations. Debt includes stadium debt recourse to the team. Most revenue figures are from Deloitte’s Money League report.

The U.S. dollar rose in value relative to the euro during the past year. As a result, while not a single team declined in value year-over-year when measured in euros, nine of the 20 teams decreased in value when priced in U.S. dollars. Measured in euros, the average team value went up 7% during the past year, to 1.37 billion euros.

England dominates our list with seven teams due to the Premier League having the biggest domestic and international television deals. Big thanks to my colleague, Bobby McMahon, for  putting together the table below (term represents the end of season for deals). One-fourth of the distribution of the Premier League’s television money is based on pitch performance.

Per-Season Broadcasting Rights (Millions)

League  Domestic  International  Total  Term

Premier

$2,340  $2,210  $4,550  2017/19

Bundesliga

$1,299

$269

$1,568

2018/21

Serie A

$1,056

$208

$1,264

2016/18

La Liga

$989

$271

$1,260

2017/19

Ligue 1

$813

$90

$903

*2017/20  * International rights 2018/24

Another important driver of revenue are shirt and kit sponsorships. Take a look at the table below, courtesy of my colleague Chris Smith. His figures include all signed deals as of June 1 for gameday jersey and kit sponsorships, and naming rights for stadium and training grounds.

Soccer’s Most Valuable Sponsorships

Rank  Team  (Mil)Annual average 

1 Barcelona $233

2 Real Madrid $216

3 Manchester United $214

4 Chelsea $148

5 Bayern Munich $109

6 Arsenal $89

7 Liverpool $82

8 Manchester City $77

9 Tottenham Hotspur $74

10 Juventus $52

The icing on the cake is the Champions League, the richest annual sports event in the world. The Swiss Ramble compiled a table of the top Champions League earners over the past five years, which I show below. For the 2016-17 Champions League, winner Real Madrid will receive $91 million, while runner-up Juventus will earn $117 million. The Spanish team became the first team ever to repeat as Champions League winner by humbling its Italian rival, 4-1.

Top Champions League Earners 2015-16

Rank  Team/Country  Amount (Mil)

1 Manchester City/England $93

2 Real Madrid /Spain $89

3 Juventus/Italy $85

4 Paris Saint-Germain/France $85

5 Atletico Madrid/Spain $77

6 Chelsea/England $77

7 AS Roma/Italy $76

8 Bayern Munich/Germany $71

9 Barcelona/Spain $63

10 Arsenal/England $591

 

Top Champions League Earners Past Five Seasons Through 2015-16

Rank  Team/Country  Amount (Mil)

1 Juventus/Italy $312

2 Real Madrid/Spain $307

3 Bayern Munich/Germany $284

4 Chelsea/England $281

5 Barcelona/Spain $273

6 Paris Saint-Germain/France $253

7 Manchester City/England $246

8 Atletico Madrid/Spain $199

9 Arsenal/England $196

10 Borussia Dortmund/Germany $180

With top-flight soccer awash in money, it is not surprising that eight of the top 20 most valuable teams are owned by billionaires. In addition, Inter Milan is owned by Suning, of which 48% is owned by billionaire Zhang Jindong. And Schalke 04 (Clemens Toennies) and Real Madrid (Florentino Perez) have presidents who are billionaires.

Rank  Billionaire Soccer Owners  Net Worth (Bil)  Team

1 Alisher Usmanov $15.2 Arsenal

2 Roman Abramovich $9.1 Chelsea

3 E. Stanley Kroenke $7.5 Arsenal

4 Joseph Lewis $5.7 Tottenham Hotspur

5 Glazer family $4.5 Manchester United

6 Vichai Srivaddhanaprabha $4.2 Leicester City

7 Sheikh Mansour bin Zayed Al Nahyan $4.0+ Manchester City

8 John Henry $2.5 Liverpool

9 Agnelli family $1.0+ Juventus

How are the best soccer players making out? Let’s just put it this way (or, more precisely, the way my colleague Christina Settimi, recently put it): “Their paychecks are in a class all their own.” Settimi reports that for the fourth straight year, Real Madrid’s Ronaldo is the world’s highest-paid soccer player. The $93 million he banked in the last year also bests the earnings of every active professional athlete worldwide. You can see her ranking of the highest-earning soccer players here.

See Most Valuable Soccer Teams List Here

If you want to know what it all means–that is, how this soccer scorecard plays into the global ecosystem of sports agents, brands, teams and players, check out our SportsMoney Index. As the video below explains, it’s the only thing like it in the world.

https://www.forbes.com/sites/mikeozanian/2017/06/06/the-worlds-most-valuable-soccer-teams-2017/#3790b7a577ea

The World’s Highest-Paid Athletes 2017

1 – Cristiano Ronaldo

2- LeBron James

3 – Lionel Messi

4 – Roger Federer

6 – Kevin Durant

7 – Rory Mcllroy

8 – Andrew Luck

9 – Stephen Curry

10 – James Harden

https://www.forbes.com/pictures/593547bb4bbe6f1b730b2087/2017-athletes-top-25/#2fa1f59e3419

Compra de Obrigações portuguesas pelo BCE cai para novo mínimo em Maio

No mês passado, a instituição liderada por Mario Draghi diminuiu o ritmo da compra total de ativos da zona euro para 60 mil milhões de euros por mês. O valor das bonds portugueses caiu para um novo mínimo de sempre: 504 milhões euros, longe do pico de há um ano.

O Banco Central Europeu (BCE) voltou a diminuir a compra de Obrigações do Tesouro (OT) português em maio. Segundo os dados divulgados esta terça-feira, a instituição liderada por Mario Draghi adquiriu 504 milhões de euros em bonds portugueses no Programa de Compra de Ativos do Setor Público (PSPP).

O programa está em vigor desde março de 2015 e este é o valor mais baixo de sempre. Em abril, o BCE tinha comprado 526 milhões de euros em obrigações nacionais. Com os valores de maio, o total de dívida pública portuguesa comprada pelo BCE ao longo do programa de estímulos sobe para 27,647 milhões de euros.

O BCE tem vindo a diminuir o ritmo na compra de títulos de dívida nacionais depois de novembro, tendo março sido uma exceção. O mês em que o BCE comprou mais obrigações portuguesas foi precisamente há um ano, quando o valor alcançou os 1.451 milhões de euros.

O valor total das obrigações de países da zona euro compradas pelo banco central em maio situou-se nos 51,490 mil milhões de euros. No total do programa, ascende a 1,587,017 milhões de euros.

Tal como anunciou em dezembro, o BCE reduziu em abril o total do valor da compra de ativos da zona euro para 60 mil milhões de euros mensais, face aos anteriores 80 mil milhões. Apesar disso, Mario Draghi tem afirmado que a redução não significa o fim do programa, que está planeado até ao fim do ano.

Quando é que o BCE irá iniciar o tapering, ou seja o fim gradual dos estímulos à economia da zona euro, mantém-se uma das incógnitas. Esta quinta-feira, o conselho de governadores do BCE volta a reunir-se com os mercados à espera de pistas sobre o futuro da política monetária na Europa. No entanto, o consenso dos analistas consultados pela Reuters é que a BCE não faça, para já, alterações às taxa de juro ou ao programa.

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/compra-de-obrigacoes-portuguesas-pelo-bce-cai-para-novo-minimo-em-maio-168447

“Saímos do PDE mas a dívida continua lá”, avisa Teodora Cardoso

É preciso disciplina orçamental e crescimento económico para resolver este problema, defendeu a presidente do Conselho de Finanças Públicas.

Teodora Cardoso, que falava hoje em Lisboa na apresentação do estudo “Que caminhos para a dívida pública portuguesa?”, da Plataforma para o Crescimento Sustentável, considerou que este relatório “é um trabalho muito sério” na medida em que “advoga que não há soluções milagrosas”, pelo que será sempre necessário “gerir muito cuidadosamente a economia e o orçamento”.

“Não há soluções milagrosas nem soluções muito rápidas. Precisamos de facto de reduzir o rácio da dívida pública para se tornar sustentável, mas não podemos imaginar que podemos fazê-lo muito rapidamente. Temos de fazê-lo com persistência e segurança”, defendeu a economista.

A presidente do CFP disse que garantir esta redução sustentável da dívida pública tem de assentar em dois eixos: por um lado, numa “grande disciplina orçamental, conduzindo a um saldo primário positivo não exagerado na ordem dos 2 a 3% do PIB” e, por outro, assegurar que a economia cresce.

“Não podemos pensar que saímos do Procedimento por Défice Excessivo [PDE] e o problema está resolvido. Não está. A dívida continua lá”, afirmou ainda Teodora Cardoso, considerando que é preciso “uma grande viragem” na estrutura da economia portuguesa para que o crescimento económico assente no aumento da produtividade.

A presidente do CFP disse ainda que, “sendo uma solução sobretudo de segurança e de perseverança a prazo, exige mudanças de natureza institucional à cabeça e um grande consenso político no sentido de as realizar”.

Os carros mais vendidos na Europa, país a país

Em Portugal, o modelo mais vendido em 2016 foi o Renault Clio, com um total de 11.494 unidades. E no resto dos países da União Europeia? Analisámos os dados da JATO Dynamics e trazemos-lhe uma fotogaleria com os mais vendidos em cada país.

Em Portugal os modelos franceses continuam a dominar o mercado. Em 2016, e de acordo com os dados da consultora JATO Dynamics, foram vendidos no mercado português um total de 11.494 unidades do Renault Clio, o que mais agradou ao mercado, seguindo-se o Peugeot 208, com 6914 unidades.

E o que compram o resto dos europeus? Entre os 28 da União Europeia, o mais procurado é o Volkswagen Golf, que triunfa em sete dos mercados, batendo o Skoda Fabia, o mais escolhido em cinco ocasiões.

Alemanha: Volkswagen Golf. A Alemanha viu saírem dos concessionários da VW 185 mil Golf, o mais elevado número de vendas em toda a Europa. O segundo classificado também é da VW. O Passat vendeu “meras” 79.000 unidades.

Áustria: Volkswagen Golf. Com 12.636 unidades vendidas, o VW Golf foi o preferido dos austríacos. O segundo classificado, o Skoda Octavia, ficou muito atrás, com apenas 8.680 unidades.

Bélgica: Volkswagen Golf. O mesmo aconteceu na Bélgica. O mais vendido foi o Golf, com 14.500 unidades, seguindo-se o Renault Clio, com 11.600.

Croácia: Nissan Qashqai. No pequeno mercado croata, o mais vendido foi o Nissan Qashqai, com 687 unidades, seguindo-se o Toyota Yaris, com 535.

Dinamarca: Peugeot 208. O único país onde a Peugeot triunfou em 2016 foi na Dinamarca. Aqui, o 208 vendeu 9.300 unidades, seguindo-se o VW up!, com 7.300 unidades.

Eslováquia: Skoda Fabia. O Skoda Fabia foi o mais vendido, com 5.373 unidades, seguindo-se o Octavia, com a venda de 4.952 unidades.

Eslovénia: Renault Clio. O Clio foi comprado por 3.854 clientes, batendo assim o VW Golf, que registou um total de 2.594 unidades.

Espanha: Seat Leon. O Leon e o Ibiza foram os modelos mais vendidos em Espanha, com 33.494 e 31.754 unidades, respetivamente.

Estónia: Skoda Octavia. Nova vitória da Skoda, novamente com o Octavia. O modelo checo vendeu aqui 1.139 unidades, ao passo que o Toyota Avensis não foi além das 838 unidades vendidas.

Finlândia: Skoda Octavia. O Skoda Octavia triunfa novamente, com 5.530 unidades vendidas neste mercado, quase mais mil que o segundo mais vendido, o Nissan Qashqai, com 4.663 unidades.

França: Renault Clio. Em França, os modelos locais dominam. O Renault Clio foi o vencedor, com 112.000 unidades vendidas em 2016, batendo o Peugeot 208, que registou a venda de 97.000 unidades. O único modelo do Top 10 que não é produzido em França é o Dacia Sandero, mas a Dacia é da Renault.

Grécia: Toyota Yaris. O citadino japonês foi o mais vendido na Grécia, com 5.300 unidades. Bateu o Opel Corsa, cujas vendas não foram além das 3.840 unidades.

Holanda: Volkswagen Golf. Nova vitória para o Golf. Os holandeses comparam 10,850 unidades deste modelo alemão, que bateru o Renault Clio (10.740 unidades) por uma pequena margem.

Hungria: Suzuki Vitara. Fabricado localmente, o Suzuki Vitara bateu a concorrência e registou 6500 unidades. O segundo mais vendido foi o Skoda Octavia, com 5204 unidades vendidas.

Inglaterra: Ford Fiesta. Fiéis à tradição, os ingleses voltaram a comprar mais Fiestas do que qualquer outro modelo. O Vauxhall (Opel) Corsa foi o segundo mais vendido, com 77.110 unidades.

Irlanda: Hyundai Tucson. O modelo coreano vendeu 7420 unidades no mercado irlandês, onde o segundo classificado foi o Skoda Octavia, que registou 5100 vendas.

Itália: Fiat Panda. Perto de 150.000 italianos comprarm um Fiat Panda em 2016, mais do dobro dos que optaram por um Lancia Ypsilon, que só é vendido no seu mercado natal.

Letónia: Nissan Qashqai. O SUV da Nissan volta a ganhar. Com 770 unidades vendidas, bateu o Skoda Octavia, que não foi além das 577.

Lituânia: Fiat 500. A Fiat dominou o mercado lituano, onde foram vendidas 2400 unidades do 500, três vezes mais que do Nissan Qashqai, com apenas 800 unidades.

Luxemburgo: Volkswagen Golf. O mercado luxemburguês é uma cópia do Belga, com os mesmos modelos nas primeiras posições. Aqui, o Golf vendeu 1645 unidades, ao passo que o Renault Clio registou 1240 unidades.

Noruega: Volkswagen Golf. Com 12.200 unidades vendidas, o VW Golf volta a ganhar, batendo por larga margem o Mitsubishi Outlander, que ficou no segundo lugar com 5.600 unidades.

Polónia: Skoda Octavia. A Skoda ocupa as duas primeiras posições no mercado polaco. O Octavia foi o eleito por 17.000 clientes e o Fabia por 15.070.

Portugal: Renault Clio. No mercado português continua o domínuio francês nas vendas. O mais vendido foi o Renault Clio, com 11.494 unidades, seguindo-se o Peugeot 208, com 6.914 novos registos.

República Checa: Skoda Octavia. Sem surpresa, o modelo mais vendido neste mercado é um Skoda, no caso o Octavia, com 28.400 unidades. O segundo mais vendido também é da marca local. O Fabia conquistou 21.769 clientes. Neste país, metade do top 10 de vendas é Skoda.

Roménia: Dacia Logan. Os dois modelos mais vendidos são, sem surpresa, da Dacia. O Logan foi escolhido por 17.000 romenos, e o Duster por 5.252.

Sérvia: Fiat 500L. O segundo mercado onde a Fiat dominou foi no da Sérvia, com o 500L a vender 1.700 unidades, ao passo que o Skoda Octavia vendeu 1.219.

Suécia: Volkswagen Golf. O Volkwagen Golf é clarament o preferido dos suecos. Com 22.088 unidades vendidas, o modelo alemão bate as vendas combinadas dos Volvo S80, V70 e XC70, que não vão além das 17.270 unidades.

Suíça: Skoda Octavia. Na luta Skoda VW, a marca checa vence na Suíça. O Octavia foi comprado por 11.648 clientes, ao passo que o Golf foi eleito por 10.525.

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/os-carros-mais-vendidos-na-europa-pais-a-pais-167142?photo=1